RSS

Vitória apertada em clássico pela Liga dos Campeões de Handebol

Gyori Audi ETO KC bateu o Itxako Navarra por 28 x 26, com duas brasileiras em quadra

Por Rodrigo Figliolini – rodrigo.oerj@gmail.com

A rodada decisiva da Liga dos Campeões de Handebol, mais importante torneio da modalidade no continente, começou hoje com as quatro primeiras partidas. São oito equipes, divididas em dois grupos, brigando pelas vagas nas semi-finais da competição. Pelo grupo 1, o Larvik (NOR) venceu o FC Midtjylland (DIN) por 26 x 22, assumindo a liderança. Na segunda partida, o Gyori Audi ETO KC (HUN), equipe aonde joga a brasileira Eduarda Amorim, a Duda, foi até a Espanha para enfrentar o Asfi Itxako Navarra, aonde atua a brasileira Deonise Cavaleiro. Ambas integraram a Seleção Brasileira no Pan de Guadalajara e no Mundial em São Paulo.

A partida prometia ser muito equilibrada, com muitos gols e muitas defesas. Além das brasileiras, a espanhola Silvia Navarro e a norueguesa Katrine Haraldsen, goleiras, e a norueguesa Heidi Loke e a espanhola Carmen Martin, integrantes de suas seleções nacionais, também estiveram em quadra.

E as previsões se cumpriram. Até os cinco minutos de jogo, o placar mostrava 2 x 1 para os visitantes, já com defesas de tiros de sete metros e arremates. O Itxako assumiu a ponta aos dez minutos de partida, quando vencia por 5 x 4. Nenhuma das equipes abriu mais do que cinco gols de vantagem na etapa inicial, e chegaram empatadas nos últimos minutos, quando o Gyori anotou um tento e foi para o intervalo com 14 x 13 no placar.

No segundo tempo, o time húngaro passou a ter mais controle da partida e contava com as defesas de Katrine Haraldsen, que provou porque era goleira de seleção campeã do mundo. O time explorava as laterais do campo para marcar seus gols e procurava roubar com a bola com velocidade. O Itxako respondia com as defesas de Silvia Navarro, e com os gols de Jessica Bernardo e Andrea San Martin.

Ao final do jogo, o Gyori vencia por três gols. A equipe tinha aproveitado um tiro de sete metros e segurou o ataque espanhol para sacramentar a vitória.

Agora, o Larvik assume a liderança do grupo com 2 pontos e 4 gols de saldo. O Gyori vem em segundo com 2 pontos e 2 gols de saldo. O Itxako aparece em terceiro com 0 pontos e -2 de saldo e o Midtjylland em quarto, com 0 pontos e -4 de saldo.

Próximos jogos

No próximo domingo, 12, as quatro equipes voltam às quadras. O Gyori recebe o Midtjylland e o Larvik recebe o Itxako. As equipes se enfrentam em turno e returno para definir os semi-finalistas. Mais informações: www.ehfcl.com/

 
Deixe um comentário

Publicado por em 4 de fevereiro de 2012 em Handebol

 

Jade Barbosa integra a Seleção Brasileira no Mundial

Ginasta compete na etapa de Ghent (BEL)

Por Rodrigo Figliolini (rodblasko@gmail.com)

A ginasta Jade Barbosa estava reunida com as demais atletas da Seleção, durante período de treinamentos na Bélgica. Agora, ela e suas companheiras disputarão a etapa de Ghent (BEL) de 31 de Agosto a 05 de Setembro.

A etapa é o último compromisso antes do Mundial do Japão, que acontece em Outubro. O Mundial classifica para as Olimpíadas de Londres. Por isso, a etapa de Ghent é vista com muita seriedade pela atleta.

Jade Barbosa falou sobre a importância do torneio. “Essa Copa do Mundo vai ser a oportunidade de analisar as séries antes do Mundial. Será importante para ver as notas dos aparelhos de acordo com os árbitros internacionais. Mais do que medalha, quero apresentar séries seguras”

Diego Hypolito também estará presente na competição na Bélgica, e a encara com muita seriedade. Para ele, será uma grande oportunidade para mostrar que o Brasil tem um grupo forte para disputar o Mundial no Japão.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 28 de agosto de 2011 em Ginástica Artística

 

Voltamos a vencer na hora certa

Por Diego Rosemberg

Santistas de todo o Brasil, fiquei ausente desse espaço, por questões pessoais e profissionais, mas consegui um tempo para postar sobre as duas vitórias consecutivas do nosso Peixe.

Tanto como o Bahia como o Fluminense foram adversários bem complicados e encardidos. Os baianos jogando em Pituaçu são fortes no ataque e na defesa, mas graças a Neymar e que golaço do Alan Kardec vencemos por 2 a 1 e respiramos quando saímos da zona do rebaixamento.

Três dias depois, tínhamos o Fluminense pela frente. O jogo que tinha sido adiado devido a participação do Peixe na Libertadores. #SomosTri

Jogadores do Santos antes do jogo contra o Fluminense

Diante do Tricolor carioca o Santos ficou concentrado e atuou como o Peixe de 2010/2011, principalmente o do ano passado. Pois, o alvinegro praiano envolve o adversário, mas sempre leva contra-ataque por permitir o outro time jogar. Além disso, Arouca jogou demais, o cara comeu a bola ontem.

Mas, graças a DrogBorges que marcou duas vezes, vencemos o jogo por 2 a 1. Subimos para a 14a posição somando 21 pontos e com um jogo a menos.

Borges e Neymar comemoram gol santista

Agora temos o São Paulo pela frente, o clássico é válido pela 19a rodada do Campeonato Brasileiro e acontecerá às 16h, na Vila Belmiro. Espero que o Peixe mantenha o embalo e tomara que possa disputar o título do Brasileirão.

Borges, Neymar e Elano festejam gol santista

 
Deixe um comentário

Publicado por em 25 de agosto de 2011 em Santos Futebol Clube

 

Tags: , , , , , , , , , ,

Seleção Feminina dos EUA enfrenta o Canadá em dois amistosos

Partidas são as primeiras das americanas após a Copa do Mundo

Por Rodrigo Figliolini (rodblasko@gmail.com)

A Seleção Feminina dos EUA, vice-campeã mundial, retorna aos gramados pela primeira vez desde a Copa, para jogar duas partidas amistosas contra a Seleção do Canadá. As cidades de Kansas City e Portland receberão os jogos, que servem de preparação para as Olimpíadas de Londres.

O primeiro jogo será no dia 17 de Setembro e o segundo, no dia 22. O canal ESPN transmitirá ambas as partidas para os Estados Unidos, mas ainda não há previsão de transmissão ao Brasil. A equipe comandada pela técnica Pia Sundhage deverá manter a base do time que disputou o Mundial em Julho, contando com a goleira Hope Solo, a zagueira Christie Rampone e as atacantes Abby Wambach e Lauren Cheney.

As canadenses não passaram às oitavas-de-final da Copa, depois de perderem as três partidas da fase de grupos, para Alemanha, França e Nigéria. Ainda assim, será uma boa oportunidade para que as americanas possam corrigir suas marcações, e para que as canadenses possam aprimorar o seu jogo. E, claro, para difundir o Futebol Feminino nos EUA.

Seleção Americana concedeu entrevistas após a final

Depois da emocionante final da Copa, contra o Japão, Pia Sundhage, Hope Solo e Christie Rampone concederam entrevistas e falaram sobre a final e sobre o futuro da seleção.

Sundhage: “Todo o crédito às jogadoras. No primeiro jogo, contra a Coréia do Norte, jogamos muito bem. Mudamos a escalação em algumas vezes. Tivemos uma forte torcida e um atmosfera fenomenal. Se der um pouco de tempo às jogadoras e treinadoras, poderemos comemorar a medalha de prata. Digo isto porque fizemos um belo trabalho, nos treinos e nos jogos. Gostaria também de parabenizar a Alemanha por organizar um grande e bem feito torneio. Acredito que o Futebol Feminino atingiu um patamar maior e estamos evoluindo. Foi incrível, mesmo sem o título”.

Solo: “Estávamos no campo enquanto todo o confeti era jogado. Eu acreditava que este torneio era nosso e pensava nisso o tempo todo. Foi difícil, mas vejo que o Japão mereceu o título. Tiro meu chapéu a elas, jogaram com muita classe e garra. Lutaram até o final. Tenho muito respeito por elas”.

Rampone: “Não senti que fui derrotada. Aconteceu que faltou sorte a nós e o Japão lutou muito. É algo que temos que entender e trabalhar em cima dos erros, daqui até a Olimpíada”.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de agosto de 2011 em Estados Unidos, Futebol Feminino

 

Campeonato Brasileiro de Rugby: SPAC 08 x 13 Rio Branco RC

Jogo foi decidido nos últimos minutos, com direito a fortes emoções

Por Rodrigo Figliolini

rodrigocmf@hotmail.com

O Campeonato Brasileiro 2011, o Super 10, começou neste sábado com quatro partidas. E uma delas aparentava ser uma decisão de campeonato, nos últimos minutos e logo após o apito final. Foi o jogo entre SPAC e Rio Branco RC, disputado no campo do SPAC. As equipes jogaram há pouco tempo, na última rodada do Paulista. O Rio Branco ainda disputou o Jogo de Acesso, vencendo a Póli por 44 x 0.

A partida começou com equilíbro, com ambas as equipes atacando, dando seus primeiros passos na campanha. E o Rio Branco saiu na frente, com um try não convertido. Os visitantes buscavam ampliar a vantagem e investiram no ataque. O SPAC se defendia e tentava empatar ainda no primeiro tempo, chegando perto em duas ocasiões. Mas, durante o intervalo, o placar ainda mostrava 5 x 0.

Logo no início do segundo tempo, a equipe da casa anotou o try de empate, com uma jogada de Andre Luiz, o “Boy”, atacando pela lateral esquerda, após uma roubada de bola. Ele cruzou os quarenta metros finais do campo e ainda se aproximou das traves antes de marcar o try. Mesmo não sendo convertido, a equipe estava igualada no placar, e o jogo estava aberto.

O Rio Branco crescia na partida, e o SPAC não se intimidava, os ataques alternavam de lado, e o jogo ia ficando mais tenso, gradativamente.

Um penal convertido por João Neto, para o SPAC, pôs a equipe em vantagem, 8 x 5. Quinze minutos depois, após desperdiçar um penal, que foi cobrado quase do meio de campo, o Rio Branco anotou um penal cobrado na lateral esquerda. 8 x 8.

A equipe do SPAC fez três alterações, substituindo jogadores machucados e colocando novos atletas em campo, para segurar o ataque do Rio Branco, que chegava com perigo ao in-goal. Em duas ocasiões, devido a erros no passe, os visitantes quase marcaram.

Ao final do jogo, o SPAC teve a chance de ficar á frente, pois lhe foi cocedida uma cobrança de penal. Porém, o chute passou á esquerda das traves. O Rio Branco reassumiu a posse de bola e investiu em uma jogada de ataque pelo lado esquerdo de seu campo.

Contando com seu maul bem estruturado e scrum organizado, a equipe pressionava, levando a bola para o in-goal. Uma sucessão de ataques, logo nos dois minutos finais, carregada de tensão, levou as equipes ao máximo de si. Uma demonstração do tipo de jogo que se quer ver, e que se gosta de ver.

A bola já estava a menos de cinco metros da linha de fundo, e as equipes brigavam por ela incessantemente. Até que o Rio Branco teve êxito em cruzar a linha e anotar seu try. A comemoração que se sucedeu parecia de um golden score ao final de um campeonato. Os reservas entraram no campo, abraçaram os jogadores, um deles carregando uma bandeira com as cores do Rio Branco, houve queima de um rojão e muita comemoração. Final SPAC 08 x 13 Rio Branco.

Jogadores falam após a partida

Após o apito final, o cumprimento entre as equipes e as reuniões no pós-jogo, os atletas Mauricio Carli, do Rio Branco, e Fabio Galdieri, do SPAC, comentaram sobre a atuação de cada time neste jogo, e falaram sobre os próximos jogos.

Mauricio Carli: “Nos juntamos e mostrei um vídeo motivacional, que falava justamente disto. De não desistir até o último minuto, de um carregar o outro nas costas, se precisar. Mostrei um vídeo do amor de um pai para um filho. O pai vai treinar Triathlon e carrega o filho, que tem deficiência mental, nas costas. Todos choraram no vestiário e saíram com isso na cabeça. E ficou claro nos últimos minutos. Jogamos e não desistimos. Tivemos problemas com desfalques e lesões, mas conseguimos juntar todos, juntamos a família, os treinos estão muito bons, o pessoal está levando a sério e viemos focados para isto. Nosso objetivo é jogar de igual para igual com todos. O SPAC ganhou de nós duas vezes no Paulista, mas agora mudou.”

“Nosso próximo jogo será no dia 13, contra o Farrapos, em Bento Gonçalves (RS). Temos poucas informações deles, sabemos que eles tem um fullback uruguaio, que agora está jogando de 1º centro e chuta muito bem, conheci alguns deles quando joguei o torneio de Sevens em Dezembro. Eles tem muito preparo físico, são jovens, sei que tem um bom abertura e os forwards são muito pesados. Iremos trabalhar em cima destas informações para ver como iremos jogar lá.”

Fábio Galdieri: “Nas últimas semanas, vínhamos trabalhando bastante na defesa, que era um problema nosso. Começamos com defesa, e depois focamos no ataque. Acho que melhoramos na parte defensiva, estava mais compacta e organizada. Todos mais conscientes em como defender. Mas temos que considerar também o lado deles (Rio Branco). Jogaram com um scrum organizado e com uma boa jogada de maul. Pecamos nesta defesa e eles fizeram duas jogadas bem efeitvas neste fundamento. No restante de jogo, começamos bem, mas eles começaram a dominar no segundo tempo.”

“Próximo jogo é contra o Farrapos, no dia 20. Vamos conhecer como é o Rugby Gaúcho.”

 
Deixe um comentário

Publicado por em 3 de agosto de 2011 em Rugby

 

Copa do Mundo de Futebol Feminino: EUA e Japão decidem o título

Suécia e França disputam 3º lugar

Por Rodrigo Figliolini

rodrigocmf@hotmail.com

Hope Solo foi fundamental, mais uma vez

Neste domingo acontece a grande decisão do Mundial Feminino. EUA, uma das grandes potências do futebol feminino, e Japão, surpresa do mundial, decidirão o título em Frankfurt. Suécia e França decidirão o 3º lugar no sábado, em Sinsheim.

As semi-finais foram belos jogos de assistir. Merecedoras de estarem na final, as americanas e as japonesas souberam aproveitar as grandes oportunidades de marcar gols e se defenderam muito bem, assegurando a vaga.

Os EUA saíram a frente no placar, contra a França. Lauren Cheney fez 1 x 0, em jogada similar á que resultou no primeiro gol de sua seleção contra o Brasil, na rodada anterior. Heather O’Reilly cruzou da esquerda, e Cheney se antecipou para abrir o placar.

O primeiro tempo terminou neste placar, mas com a França atacando batsante, buscando o gol de empate. As americanas, seguindo seu jogo, se defendiam e apostavam no contra-ataque.

Sonia Bompastor, aos 10 do segundo tempo, empatou o jogo numa falha da defesa americana. Ela levantou a bola na área, a defesa deixou passar e pegou a goleira Hope Solo no contra-pé.

Mas a seleção americana não se abalou com o empate. Logo após tomarem o gol, já investiram no ataque, e, com a entrada de Megan Rapinoe no time, atacavam com mais velocidade e chegavam com mais perigo ao gol francês.

A alteração deu resultado. Aos 34 do segundo tempo, Abby Wambach, uma das referências no time americano, desempatou a partida. E, três minutos depois, Alex Morgan fechou o placar. Um balde de água fria na seleção francesa, que tinha claras chances de virar. Mas, em dois golpes fatais, a seleção dos Estados Unidos selou sua vaga na final, contando também com as grandes defesas de Hope Solo. Ela estava muito segura em suas jogadas, sem espalmar ou sair errado do gol. Não teve culpa no gol tomado, e ainda manteve sua concentração em alta e parou o ataque francês.

Na outra semi-final, Japão e Suécia. As chances indicavam que as suecas chegariam á final, pelo que vinham apresentando. Mas, como no futebol, chances dizem muito pouco, e mesmo começando atrás no placar, as japonesas rapidamente impuseram uma marcação dura e em grupos ás suecas. Sempre havia mais de uma jogadora japonesa na marcação, elas se revezavam, e marcavam desde a saída de bola. A Suécia tentava sair, mas errava nos passes e nas finalizações.

Nahomi Kawasumi foi o destaque da seleção japonesa. Foi dela o gol de empate no primeiro tempo, e um dos gols na segunda etapa. Homare Sawa também marcou, em duas falhas da defesa sueca, em saídas erradas do gol e furos dentro da área, que possibilitaram ás japonesas chegar ao 3 x 1. Ao final do jogo, a vitória japonesa era dada como certa, e foi o que aconteceu. Fim de jogo.

Promessa de um jogo muito pegado na final, com forte marcação dos dois lados, e as americanas precisam tomar cuidado com a marcação japonesa. E a seleção do Japão precisa ficar atenta aos contra-ataques perigosos das americanas, especialmente com Abby Wambach e Megan Rapinoe, sem falar, claro, na goleira Hope Solo, que poderá decidir nos pênaltis.

Na decisão de terceiro, promessa também de bom jogo. As francesas não são de se abater fácil, como mostraram no mundial, e as suecas vão atrás do bronze, para assimilar á sua já firme coleção de conquistas.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 15 de julho de 2011 em Futebol Feminino

 

Copa do Mundo de Futebol Feminino: Definidas duas partidas das quartas-de-final

Amanhã, definição das outras duas

Por Rodrigo Figliolini

rodrigocmf@hotmail.com

Pela última rodada da fase de grupos da Copa do Mundo de Futebol Feminino, quatro partidas fecharam os grupos A e B do Mundial, definindo duas partidas das quartas-de-final. Amanhã, mais quatro confrontos definirão as outras duas partidas.

Pelo grupo A, França x Alemanha e Canadá x Nigéria. A primeira partida definiria quem terminaria em 1º e quem terminaria em 2º. E foi uma bela partida de assistir, muito disputada, e com 6 gols.

A Alemanha, atual bicampeã mundial e sede do torneio, chegou como favorita. Já no primeiro tempo, as anfitriãs abriram 2 x 0. Aos 25 minutos, Kerstin Garefrekes marcou de cabeça, após cruzamento pela esquerda. Inka Grings ampliou aos 32.

No segundo tempo, Marie-Laurie Delie descontou para a França. Ela aproveitou uma falha da defesa alemã e fez 2 x 1. Inka Grings marcou de novo para a Alemanha, de pênalti.

Após uma cobrança de escanteio, Laura Georges marcou novamente para a França, 3 x 2. A partir daí, a França pressionava para empatar e terminar na 1ª colocação do grupo. A seleção alemã se defendia e apostava nos contra-ataques.

E em uma jogada de contra-ataque, Celia Okoyino Da Mdabi, aos 44 do segundo tempo, chutando sozinha de dentro da área, após desvio, e fechou a partida para sua seleção. As alemãs terminaram a 1ª fase com 100% de aproveitamento.

Na outra partida do grupo, a Nigéria venceu o Canadá por 1 x 0. Ambas as seleções não avançam às quartas.

Pelo grupo B, Inglaterra x Japão e Nova Zelândia x México. Na primeira partida, as inglesas contavam com a experiência de sua treinadora Hope Powell e da atacante Kelly Smith, para vencer o Japão e terminar em 1ª no grupo. E foi outro jogo digno de Mundial, sem tantos gols, mas com muitos lances de perigo, jogadas de ataque das duas seleções e grandes talentos revelados em campo.

 Um destes foi a goleira Karen Bardsley. Mostrando muita segurança em suas defesas e saídas do gol, ela conseguiu parar com êxito as investidas do ataque adversário. Com 1,88m de altura, a jogadora se tornou a referência na área.

Outro destaque foi a atacante Ellen White. Aos 15 minutos do primeiro tempo, a jogadora recebeu um lançamento no campo de ataque e chutou de primeira, fazendo um belíssimo gol de cobertura, muito comemorado por ela, suas companheiras e a treinadora.

Buscando ampliar no placar, a Inglaterra atacava mais, com Ellen White, Kelly Smith, Karen Carney, Sophie Bradley e Jill Scott. Esta última, muito eficiente na lateral direita, armando jogadas de ataque da Inglaterra e ainda servindo na defesa, tal como fez Kelly Smith.

As japonesas não se renderam e foram ao ataque. No segundo tempo, muitos escanteios foram cobrados pela seleção do Japão, que a todo momento buscava o gol. Homare Sawa, a capitã do time, Kozue Ando, Yuki Nagasato e Aya Miyama foram os destaques da equipe. Miyama também jogou bastante pela lateral, dando opções ao time, que encontrava dificuldades em atacar pelo centro, muito bem marcado pelas inglesas.

Aos 21 do segundo tempo, Rachel Yankey ampliou para a seleção inglesa. Recebendo cruzamento pela esquerda, dentro da área ela chutou de primeira ao gol. Inglaterra 2 x 0.

Mesmo com a desvantagem, o Japão não parava de atacar, investindo em jogadas pela lateral esquerda e fazendo lançamentos na área. Mas a eficiência da defesa inglesa, comandada pela goleira Karen Bardsley, não deu chances ás adversárias. Fim de jogo.

No outro jogo do grupo, a Nova Zelândia empatou com o México nos minutos finais, 2 x 2. O México tinha chances de se classificar, mas precisava vencer e torcer por uma derrota da seleção inglesa. Como nenhum dos resultados ocorreu como se esperava, a seleção mexicana vai voltar para a Cidade do México.

Após estes resultados, os dois primeiros confrontos das quartas são: Alemanha x Japão e Inglaterra x França. Na primeira partida, a Alemanha deverá sair vencedora, contando com Fatmire Bajramaj, Inka Grings, Kerstin Garefrekes e Lena Goessling. Atual detentora do título, tem grandes chances de faturar o Tri.

Na outra partida, muito equilíbrio deverá prevalecer. As seleções de França e Inglaterra vem demonstrando bom jogo, bons ataques e sólidas defesas. Difícil de apontar uma vencedora. Veremos no dia 09!

Outros jogos das quartas

Amanhã teremos as partidas que definem os outros dois jogos das quartas-de-final. Pelo grupo C, Suécia x Estados Unidos e Coréia do Norte x Colômbia. As seleções classificadas deste grupo já estão definidas, e se enfrentam no primeiro jogo para decidir quem termina em 1º e em 2º. Previsão de jogo bem equilibrado, pelo que demonstraram nas primeiras partidas.

Pelo grupo D, o Brasil, já classificado, joga com Guiné Equatorial e o confronto direto Noruega x Austrália decide a outra vaga.

O 1º colocado do grupo C pega o 2º colocado do grupo D. E o 1º do grupo D pega o 2º do grupo C. As partidas ocorrerão no dia 10.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de julho de 2011 em Futebol Feminino

 
 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.